Febre aftosa: avaliações garantem o status local

Duas propriedades da região do Pantanal receberam do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea/MT), o relatório que comprova o título de livre de febre aftosa com vacinação. No total, 189 fazendas mato-grossenses que se dedicam à pecuária foram selecionadas aleatoriamente para serem monitoradas, seis no município de Cáceres, devido à localização fronteiriça. Dessas, duas já tiveram os processos finalizados e o gado liberado para comercialização nesta semana.

Duas propriedades da região do Pantanal receberam do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), por meio do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea/MT), o relatório que comprova o título de livre de febre aftosa com vacinação. No total, 189 fazendas mato-grossenses que se dedicam à pecuária foram selecionadas aleatoriamente para serem monitoradas, seis no município de Cáceres, devido à localização fronteiriça. Dessas, duas já tiveram os processos finalizados e o gado liberado para comercialização nesta semana.

Segundo o médico-veterinário do Indea/MT, José Villanova Torres Neto, a Avaliação de Circulação Viral na Zona Livre de Febre Aftosa com Vacinação, ocorre a cada dois anos em todos os estados brasileiros, exceto Santa Catarina, por ser considerado livre de febre aftosa sem vacinação. “As propriedades são escolhidas pelo Mapa e em seguida o órgão estadual representante faz a coleta de sangue dos animais, também aleatoriamente, e encaminha para análise em laboratório de Minas Gerais”, detalha Neto. “A finalidade da ação é dar aos estados segurança sanitária, mercadológica e valorização da carne bovina”, destaca.

A Fazenda Ressaca que se dedica à criação de gado nelore Puro de Origem foi selecionada e teve seu plantel avaliado positivamente após a análise de 32 amostras de soro coletadas, número máximo recomendado pelo Mapa. De acordo com a entidade o número de amostras varia de acordo com o volume de animais e os bezerros estudados devem ter seis a 12 meses de idade, faixa etária de 4.539 reses da fazenda avaliada. “Esta análise dá credibilidade ao rebanho de todo o Mato Grosso e nos mantém no mercado de forma estável. A seriedade do trabalho traz também segurança ao consumidor final que terá a certeza de adquirir um produto com qualidade e aprovado pelos órgãos públicos”, afirma o diretor de pecuária da Fazenda Ressaca, Ilson Correa.

Para a coleta das amostras os 32 animais foram selecionados desde agosto de 2014 e só puderam receber a segunda dose da vacina conta febre aftosa após a o resultado da avaliação, entregue aos representantes da Nelore Grendene, Fazenda Ressaca, no último dia 13. A vacinação contra a febre aftosa desses animais foi acompanhada por quatro estudantes estagiários do curso técnico em Agropecuária, do Instituto Federal de Mato Grosso (IFMT), que na oportunidade aprenderam sobre as etapas do processo e colaboraram no preenchimento das fichas técnicas dos animais.

Diário de Cuiabá
http://www.diariodecuiaba.com.br/detalhe.php?cod=464763&edicao=14104&anterior=1

Voltar