Perdas causadas por carrapatos em bovinos alcançam US$ 3,4 bi por ano

Os carrapatos são parasitas hematófagos que se fixam na pele de seus hospedeiros para obter sangue, além de transmitirem patógenos que causam estresse, perda de peso e danos ao couro. O carrapato-de-boi – Rhipicephalus (Boophilus) microplus –, espécie que mais parasita o gado brasileiro, tem provocado grandes perdas aos hospedeiros, geralmente animais com alto grau de sangue europeu. Estimativas recentes calculam que os prejuízos causados carrapatos em bovinos podem chegar a U$ 3,4 bilhões ao ano, somente no Brasil.

Os carrapatos são parasitas hematófagos que se fixam na pele de seus hospedeiros para obter sangue, além de transmitirem patógenos que causam estresse, perda de peso e danos ao couro. O carrapato-de-boi – Rhipicephalus (Boophilus) microplus –, espécie que mais parasita o gado brasileiro, tem provocado grandes perdas aos hospedeiros, geralmente animais com alto grau de sangue europeu. Estimativas recentes calculam que os prejuízos causados carrapatos em bovinos podem chegar a U$ 3,4 bilhões ao ano, somente no Brasil.

Nos pastos há também outras espécies de carrapato, como os do gênero Amblyomma, que têm grande importância na transmissão de uma doença letal a seres humanos – a febre maculosa. Por causa do alto nível epidemiológico, há a necessidade de utilizar a adubação de cobertura com ureia e o controle do parasito.

Pesquisadora do Instituto de Zootecnia (IZ), Cecília José Veríssimo afirma que o controle do carrapato está cada vez mais complicado, em função de sua resistência aos produtos comerciais existentes hoje no mercado. Segundo ela, o tratamento químico ainda é o método mais usado, no entanto a homeopatia vem sendo alternativa a mais no campo.

“Atualmente, os acaricidas são a única opção para matar carrapatos, mas podem contaminar produtos de origem animal, como leite e carne, além de poluir o meio ambiente”, alerta a pesquisadora Isabel Kinney Ferreira de Miranda Santos, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP/USP).

NOVIDADE

“Uma novidade no controle do carrapato é a vacina, que não causa impacto sobre o ambiente nem deixa resíduos na carne ou no leite”, informa Cecília.

Segundo ela, vacinas para coibir o problema, desenvolvidas em Cuba e na Austrália, já foram comercializadas no Brasil, mas não tiveram muita aceitação por parte dos produtores brasileiros, em razão da pouca eficácia e do alto custo.

No Instituto de Zootecnia, uma vacina contra o carrapato, fabricada por uma equipe de pesquisadores liderados pela professora Isabel, da FMRP, foi testada em bovinos e teve eficácia em torno de 70%, de acordo com Cecília.

“Novas formulações estão sendo estudadas por pesquisadores brasileiros e estrangeiros. Há muita esperança que, em um futuro próximo, tenhamos uma vacina eficaz contra este parasito”, prevê.

“Para o controle sustentável das infestações de carrapatos, com uma vacina que seja eficiente, o produto deverá limitar a ingestão de sangue e diminuir o número de parasitos nos hospedeiros, contribuindo para o bem-estar animal e aumentando sua produtividade”, ressalta Isabel.

“A vacina também deverá reduzir as massas de ovos produzidas pelas fêmeas e suas taxas de eclosão, diminuindo, assim, a eficiência reprodutiva de carrapatos, efeito que restringe a infestação nas pastagens.”

WORKSHOP

No próximo dia 12 de agosto, o Instituto de Zootecnia promoverá o 5º Workshop de Controle do Carrapato, em Nova Odessa (SP), com o objetivo de debater as novidades no controle dos parasitas, inclusive as vacinas. Dentre os convidados está a pesquisadora Alina Rodríguez-Mallon, do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia de Havana, Cuba, que comanda os testes de aperfeiçoamento da vacina cubana contra o carrapato.

SNA - Sociedade Nacional de Agricultura
http://sna.agr.br/perdas-causadas-por-carrapatos-em-bovinos-alcancam-us-34-bilhoes-anuais/

Voltar