Pecuaristas investem em inseminação artificial para garantir produtividade do gado

De acordo com informações da FAO - Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura - o Brasil é o segundo maior exportador global de alimentos, com previsão de alcançar o primeiro lugar em dez anos. Mas para que o Brasil consiga atingir este patamar, precisa investir em novos ganhos de produtividade por meios de práticas sustentáveis tanto na agricultura como na pecuária.



De acordo com informações da FAO - Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura - o Brasil é o segundo maior exportador global de alimentos, com previsão de alcançar o primeiro lugar em dez anos. Mas para que o Brasil consiga atingir este patamar, precisa investir em novos ganhos de produtividade por meios de práticas sustentáveis tanto na agricultura como na pecuária.

A previsão é que, em 2050 a população global atinja o número de 9,7 bilhões de pessoas, ou seja, 37% maior que a atual. Para acompanhar este crescimento, a produção mundial de alimentos deverá aumentar em 80%. Já a produção de carne, estima-se que o acréscimo seja 200 milhões de toneladas. O Brasil terá importante participação neste processo, contando não somente com grandes criadores e produtores, mas com pequenos e médias propriedades para suprir a necessidade mundial.

Na agropecuária, a inseminação artificial, com o uso do sêmen de touros provados, é uma ótima alternativa para o criador que pretende ver seus negócios alavancarem. “O pecuarista tem buscado o melhor material genético, para que seu rebanho alcance alta produtividade e rentabilidade. O mercado está extremamente competitivo e é importante que o produtor esteja atualizado com novas tecnologias para serem aplicadas em sua propriedade. Quem não usá-las de forma adequada, estará fora do mercado ou terá enormes dificuldades para sobreviver”, afirma Reginaldo Santos, gerente dos Cursos de Inseminação Artificial e Consultor Técnico de Leite da Alta.

Cursos Alta - Para inseminar o gado com eficácia, é necessário que haja profissionais qualificados na fazenda. A Alta possui uma grande quantidade de touros provados, sejam de leite e ou de corte e promove cursos de inseminação artificial em todo o Brasil. Atualmente, possui 20 centros de treinamento e oferece cursos desde 2006.

Esta técnica permite que o produtor de pequeno, médio ou grande porte tenha a melhor genética disponível. “Ela promove aumento da produção de carne ou de leite em menor tempo; reduz custos se comparado com sistema de monta natural; faz com que o criador tenha maior rentabilidade, animais com a melhor genética e descarte com mais qualidade, agregando valor ao produto”, ressalta Reginaldo.

O conteúdo completo das aulas capacita o participante a realizar a inseminação artificial de maneira profissional. A programação inclui: anatomia e fisiologia do aparelho reprodutor da fêmea bovina; passo a passo da inseminação artificial; observação de cio em gado de leite e corte; manejo do botijão de sêmen; montagem do aplicador; descongelamento do sêmen, passagem do aplicador pela cérvix; visualização em DVD do processo de coleta e industrialização de sêmen; dentre outros.

De acordo com Reginaldo Santos, “a profissão inseminador tende a crescer muito nos próximos anos, porém, apenas 10% das matrizes são inseminadas”.

Agrolink com informações de assessoria
http://agrolink.com.br/saudeanimal/noticia/pecuaristas-investem-em-inseminacao-artificial-para-garantir-produtividade-do-gado_343325.html

Voltar