Falta de chuva também pode agravar falta de gado em MT, diz Imea

A chuva é um dos pilares da bovinocultura de corte, sua regularidade garante um bom desenvolvimento das pastagens, principal fonte de alimentação dos bovinos em Mato Grosso

O volume pluviométrico do primeiro semestre deste ano, em algumas cidades mato-grossenses, sofreu fortes reduções na comparação anual. O IMEA - Instituto Mato-grossende de Economia Agropecuária - informou, esta tarde, que na região Norte, em Itaúba (90 km de Sinop), no primeiro semestre do ano passado registrou 1131,1 de precipitação acumulada. Este ano, atingiu 901,3. Em Rondonópolis (Sul), também tem chovido menos. A precipitação foi de 581 em 2015 e, agora, 405,8. Em Canarana (Araguaia), 979,8 em 2015, e 813 de janeiro a julho passado.

O instituto aponta que a irregularidade das chuvas no primeiro semestre, aliado/unido a um manejo inadequado/equivocado das pastagens podem comprometer a engorda de animais, podendo assim agravar a situação de oferta de animais no segundo semestre.

"Esta queda no volume de chuvas não é novidade, já que agentes de mercado apontavam para a “quebra” em algumas culturas de 2ª safra no Estado, como milho e feijão, justificada, sobretudo, pela irregularidade nas chuvas. As pastagens ,apesar de terem um poder de recuperação maior, também devem

sofrer este ano, em Mato Grosso", analisa o IMEA.
Data de Publicação: 21/07/2016 às 10:00hs
Fonte: Só Notícias/Agronotícias
http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/falta-de-chuva-tambem-pode-agravar-falta-de-gado-em-mt-diz-imea-147282

Voltar