Frango: relação de preços entre vivo e abatido é a mesma de 2015

Enquanto o frango vivo alcança, no momento, valor 3,3% superior ao registrado no fechamento de 2015 (R$3,00/kg na semana final de dezembro), o frango abatido registra incremento próximo de 25% (R$3,765/kg nos três últimos dias de negócios de 2015; R$4,675/kg no início desta semana)

Mas não só isso. Pois embora esteja, agora, na fase pré-retrocesso de preços, o frango abatido se encontra no maior valor nominal de todos os tempos. O que significa, para o produto resfriado comercializado no Grande Atacado da cidade de São Paulo, preços entre R$4,55/kg e R$4,80/kg.

Isso também quer dizer que o frango abatido está valendo cerca de 50% mais que o frango vivo. Ou, vice-versa, que a cotação registrada pelo frango vivo corresponde a, mais ou menos, 66% do valor de comercialização do frango abatido.

Essa é, para a ave viva, uma das piores relações de preços de 2016, já que superada apenas pelos 63,3% de meados de fevereiro. Mas não significa que venha apresentando comportamento muito diferente do observado no mesmo período de 2015 (sob – é importante ressaltar – condições de produção e mercado absolutamente diferentes das atuais). Aliás, muito pelo contrário.

Demonstrando, a pior relação de preços alcançada pelo frango vivo neste exercício ficou apenas 1,1 ponto percentual abaixo daquela registrada em idêntico período do ano passado. E, quase da mesma forma, isso é observado também na melhor relação de preços: 87,4% em 2015; 86,6% em 2016. Diferença, portanto, de apenas 0,8 ponto percentual.

E quanto à média? Surpreendentemente, as similaridades permanecem. Pois, até aqui, o frango vivo vem registrando cotação média correspondente a 76,3% dos preços de comercialização do frango abatido, índice que se encontra apenas 0,6 ponto percentual abaixo dos 76,9% registrados nos (pouco mais de) 250 primeiros dias de 2015.

Data de Publicação: 14/09/2016 às 11:50hs
Fonte: Avisite
http://www.portaldoagronegocio.com.br/noticia/frango-relacao-de-precos-entre-vivo-e-abatido-e-a-mesma-de-2015-149734

Voltar