Depois de oito semanas de queda no atacado de carne bovina sem osso, houve alta de 0,5% no início de março

O movimento de baixa da carne bovina no atacado sem osso, depois de dois meses, chegou ao fim nesta semana. Foi a primeira alta imposta pelos frigoríficos aos preços da carne em 2017

A redução na entrega de boiadas, em função da época do ano, acabou diminuindo os estoques, mesmo que a melhora da demanda ainda não dê motivos suficientes para comemorar. Além disso, a proximidade com o pagamento de salários sempre gera uma expectativa de crescimento das vendas.

Tudo isso somado acabou criando condições às valorizações.

A carne de dianteiro, “mais barata”, vendida, em média, por 42,0% menos que os cortes de traseiro, foi o que puxou o mercado. Estes itens tiveram reajustes de 0,73%, contra 0,17% para os de maior valor agregado.

Apesar da melhora dos preços, estes ainda são 1,35% menores que os de um mês atrás e estão 4,0% menores que há um ano, em valores nominais.

Se este mercado é fortemente dependente da economia, já que a elasticidade renda é elevada, a boa notícia é que a inflação (IPCA) esperada pelo mercado até o final do ano voltou a cair pela oitava semana seguida e ficou em 4,36%, segundo o boletim Focus.

De forma complementar, a produção industrial teve um pequeno reajuste, e agora é esperado crescimento de 1,09% para este indicador. Isso cria expectativa de geração de empregos e, consequentemente, melhora na renda da população.

Data de Publicação: 03/03/2017 às 10:40hs
Fonte: Scot Consultoria

Voltar