“2018 é um ano em que a produtividade na pecuária é essencial para ter rentabilidade”, acredita Rodrigo Penna, do Grupo Otávio Lage, associado da Assocon

Há grande oferta de frangos e suínos e o abate de bovinos cresce. Olhando para a segunda metade do ano, confio em melhora, sim não será tão expressiva

“O primeiro semestre de 2018 não deve ter grandes alterações do cenário atual. Há grande oferta de frangos e suínos e o abate de bovinos cresce. Olhando para a segunda metade do ano, confio em melhora, sim não será tão expressiva. Mais do que nunca, o aumento da produtividade, a partir do uso de modernas tecnologias em genética, nutrição, sanidade e gestão, será decisivo”.

A afirmação é de Rodrigo Pena de Siqueira. Especialista em gestão financeira, engenheiro civil e líder setorial, ele é um dos atuantes associados da Associação Nacional da Pecuária Intensiva (ASSOCON), tendo sido vice-presidente da entidade durante cinco anos, na gestão de Eduardo Moura. Rodrigo Penna destaca o relacionamento com os demais associados, dirigentes setoriais e a cadeia da carne bovina de “forma verdadeira, transparente e sólida, sempre valorizando os relacionamentos duradouros e confiáveis”. Para ele, “a imagem da Assocon e a importância da reputação perante os associados sempre foram primordiais para fortalecer a busca por melhores condições de crédito e trabalho para os pecuaristas”.

Rodrigo Penna tem um grande currículo de serviços prestados ao setor produtivo. Ele já foi Conselheiro da ABIEC (Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes), Presidente do Conselho Temático do Agronegócio da FIEG (Federação das Indústrias do Estado de Goiás) e vice-presidente financeiro da ADIAL (Associação Pró-Desenvolvimento Industrial do Estado de Goiás). Desde 2001, a convite de seu avô, Otávio Lage de Siqueira, atua no Grupo Otávio Lage. Na organização, foi Diretor-Superintendente do Goiás Carne S/A, frigorífico vendido em 2007 ao Independência Alimentos S/A. Atualmente, é Diretor Geral do grupo e Diretor Financeiro da Jalles Machado S/A, além de atuar também como Presidente do Conselho da Coopercred (Cooperativa de Crédito do Vale São Patrício) e Conselheiro Deliberativo da APROB-GO/TO (Associação dos Produtores de Borracha Natural de Goiás e Tocantins).

O Grupo Otávio Lage cultiva grãos, seringueira e cana de açúcar, e conduz um projeto de pecuária de alta qualidade. Em 2017, comercializou 500 touros com certificado de produção (CEIP). “Atuamos em todos os elos da cadeia produtiva: cria, recria e engorda de animais em confinamento. A propriedade abate cerca de 20.000 mil cabeças por ano. Também temos um projeto leiteiro para produção de 6 mil litros de leite por dia”, informa Rodrigo Penna.

Ele valoriza o trabalho de entidades como Assocon, que atuam em prol do avanço da pecuária intensiva no país, mas sabe que a união do setor pecuário é desafiador e difícil, porém a “Assocon conseguiu com muito esforço grandes vitórias defendendo elos da cadeia produtiva, além de ter participação ativa nas questões que envolvem os interesses dos produtores junto ao MAPA e abastecer os pecuaristas de informações importantes sobre o mercado”. Rodrigo Pena destaca que, agora, a entidade assumiu um papel ainda mais importante, “que é não só de unir os confinadores, mas de fortalecer e defender todos os elos da cadeia da carne bovina, gerando valor para as indústrias de insumos, produtores e frigoríficos”.

Data de Publicação: 11/04/2018 às 13:40hs
Fonte: TEXTO COMUNICAÇÃO CORPORATIVA

Voltar